02/12/2013

LUTO: Sergipe perde o governador e companheiro, Marcelo Déda



O governador licenciado de Sergipe, Marcelo Déda (PT), de 53 anos, morreu na madrugada desta segunda-feira, 2. Ele estava internado no Hospital Sírio-Libanês desde maio. Déda foi diagnosticado com um câncer gastrointestinal em 2012.
Horas após a morte, a família postou uma mensagem no perfil do governador no Twitter: "O céu acaba de ganhar mais uma estrela. Marcelo Déda voou 'nas asas da quimera'. Paz e bem". 

O corpo de Déda chegou em Sergipe na tarde desta segunda, onde desfilou em carro aberto do Corpo de Bombeiros pelas ruas da cidade no trajeto entre o aeroporto e o Palácio Museu Olímpio Campos, local do velório. Segundo o governo, o velório deve durar até a manhã de terça-feira, 3.
De acordo com familiares, o corpo de Déda será cremado no final da tarde de terça em Salvador, já que Sergipe não tem crematório.

História de Marcelo Déda


Marcelo Déda Chagas nasceu em 11 de março de 1960, na rua Cônego Andrade, 182, na cidade de Simão Dias, situada a 110 km de Aracaju. É o mais novo de uma família de cinco irmãos, cujos pais são o senhor Manoel Celestino Chagas (falecido) e dona Zilda Déda Chagas.
A infância de Marcelo Déda em Simão Dias foi marcada pelas brincadeiras de rua, cuja relação com a natureza era muito forte. Os brinquedos eram comprados dos artesãos ou fabricados pelas próprias crianças. A principal característica dessa época era a vida ao ar livre, em um período que a violência não era algo ameaçador.
Durante os anos de ensino fundamental, Déda frequentou uma das instituições mais tradicionais do interior de Sergipe – o Grupo Escolar Fausto Cardoso – na Praça Barão de Santa Rosa em Simão Dias. Em 1969, seus pais foram morar em Aracaju e o caçula continuou no interior com sua tia Eunice Oliveira. Mulher muito religiosa, foi responsável pela formação católica do sobrinho que chegou a ser coroinha ao lado do Monsenhor João Barbosa, na Matriz de Nossa Senhora Sant’Anna.
Déda ajudava nas missas e nos ritos. Ele relembra com carinho histórias que marcaram essa fase. “Meus amigos sempre diziam que o espírito do Padre Madeira, que havia sido enterrado na própria igreja, aparecia para as pessoas que estivessem lá. Por isso, eu tinha muito medo de fechar as portas do templo, quando todos já tinham ido embora, e de ser o primeiro a chegar, às 5h30 da manhã, para bater o sino”.
Em 1973, aos 13 anos, ele deixou a cidade para estudar em Aracaju, no Atheneu Sergipense, tradicional escola pública. Sua família se instalou no bairro São José, onde seus pais moram até hoje. A paixão pela literatura veio mais tarde, aos 15 anos de idade, quanto teve contato com a biblioteca do avô José de Carvalho Déda, um autodidata conhecido como Zeca. Apesar de ter convivido muito pouco com o avô, pois ele morreu quando Marcelo Déda tinha apenas oito anos, as influências foram decisivas na sua formação.
Escritor e jornalista, Zeca Déda havia sido eleito três vezes deputado estadual. Nos anos 50, no entanto, encerrou sua participação política. O menino Déda ainda nem havia nascido. Apesar de não ter convivido com o avô nesta época, o seu senso de justiça foi transferido para o neto, que começou a coletar depoimentos sobre o avô e a ler seus livros discursos registrados em diários e jornais. “Mesmo ausente meu avô teve uma grande influência no meu caráter. Ele me deixou um grande legado”, conta orgulhoso o governador.
Déda estudou no Colégio Atheneu até a conclusão do 2º Grau. Nessa fase, conheceu Edgar Barbeiro, um comunista que, para ele, se confundia com a esquerda de Sergipe. Começou a ler os livros de Jorge Amado, textos de esquerda e acompanhar a eleição de 1974. Foi o início da sua paixão pela política, alimentada pela leitura de jornais alternativos da época como “Pasquim”, “Movimento” e “Opinião”.
O primeiro movimento reivindicatório que Marcelo Déda participou e a primeira greve aconteceram no Colégio Atheneu em 1979, quando ele mobilizou os colegas do terceiro ano contra a compra da farda de gala no final do antigo 2º grau, período em que os alunos já estavam deixando a escola, por considerar um desperdício tal investimento só para o desfile de sete de setembro. A união entre sua turma e a turma da manhã culminou numa suspensão e todos foram obrigados a desfilar no dia comemorativo, mas com a farda comum.
Ainda no Atheneu, Déda engajou-se nos movimentos culturais. Em 1977, foi presidente do cineclube do Colégio Atheneu Sergipense. Foi cineasta amador na Bitola Super/8mm, e em 1979 chegou a ser condecorado com o Prêmio Especial do Júri no Festival de Cinema Amador de Sergipe. Na área cinematográfica, fundou com amigos o Cine Clube do Diretório Central dos Estudantes (DCE) já na Universidade Federal de Sergipe (UFS), onde cursou Direito entre os anos de 1980 e 1984.
Sua militância política teve início no Movimento Secundarista. Apesar de aprovado em segundo lugar no vestibular de Direito da UFS, antes de escolher este curso, Déda pensou em estudar Jornalismo e Psicologia, que não existiam na época, e também História. Seu contato com o DCE da UFS foi feito na época de existência do grupo político estudantil de esquerda chamado Atuação. Em 1978, Déda já frequentava os seminários, as conferências e os congressos que o DCE promovia.
Ainda no Atheneu concorreu ao Centro Cívico com a chapa Ação, e foi derrotado. Sem mandato, ele montou, com outros jovens de escolas públicas e privadas, um grupo que tinha o objetivo de reconstituir o Movimento Secundarista e a sua principal entidade, a USES (União Sergipana dos Estudantes Secundaristas), na época proibida pelo Regime Militar.
Em 1979, começou a trabalhar com seus companheiros na criação do PT (Partido dos Trabalhadores), durante a reforma partidária no final do governo Figueiredo.
O DCE foi o início de uma militância mais ativa, articulada e fundamentada na política. Neste período, ele conciliava os estudos, o trabalho e a militância no Movimento Estudantil e na Fundação do PT. Trabalhou como professor de Organização Social e Política Brasileira (OSPB) e Educação Moral e Cívica (EMC) e foi estagiário do Banese.
Fonte: Estadão/ASN
Fotos: Reprodução/Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leia antes de fazer seu comentário:

- Os comentários do blog são moderados e serão liberados após constatação de que estão de acordo com o assunto dos post.
- Os comentários não refletem a opinião do autor.
- Comentem à vontade. Dê sua opinião, sugestão ou reclamação.
- Me sigam no Twitter: @pedrogabriel13p
- Lembrem-se de curtir a fã Page do Blog na Lateral.
- Me sigam também no Instagram: @BlogDoPedroGabriel

Desde já agradeço a atenção de vocês e espero que voltem ao Blog do Pedro Gabriel quantas vezes quiserem ;)

Blog do Pedro Gabriel | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © 2012 - 2018 | POR:
COMPRE AQUI O LAYOUT QUE SEU BLOG MERECEBILLION DOLLAR LAYOUTS